Rubens condena política “desastrosa” de preços da Petrobras

O secretário de Articulação Política (SECAP) do Governo do Maranhão, Rubens Júnior, criticou a política de preços de combustíveis praticados pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido), que teve novo aumento na ultima semana. “A política de preço da Petrobras no governo Bolsonaro é desastrosa”, disse Rubens no Twitter.

Bolsonaro argumenta que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado pelos estados é um dos responsáveis pelo aumento de preços, e em 2020, chegou a desafiar os governadores a zerar o imposto para que ele também zerasse impostos federais. A atitude foi vista como populista e pouco responsável.

O argumento do presidente sobre a cobrança de ICMS nos estados, fez com que o governo do Maranhão fosse alvo recente de notícias falsas, com publicações que acusam o preço do ICMS no Maranhão como uma das causas para a alta de preços nas bombas do estado. Em resposta, o Governo do Maranhão esclareceu que está desde 2019 com a mesma tarifação, – ou seja, dois anos sem aumento do imposto- , contradizendo o argumento do presidente.

O governador Flávio Dino também reagiu ao aumento feito pela Petrobras em uma citação do economista e pesquisador da Unicamp, Marcio Pochmann; “Nos primeiros 50 dias deste ano, a Petrobrás elevou em 34% o preço da gasolina e 27% do diesel. Bolsonaro imbatível neste início do terceiro ano do governo para manter a política privatista imposta pelo golpe de 2016”, disse.

Nas últimas declarações, além de reforçar o argumento sobre o preço do ICMS nos estados, Jair Bolsonaro transferiu a responsabilidade para a Petrobras, dizendo que ela tem autonomia para realizar os aumentos.