Os zoológicos e aquários cujos animais podem ser vistos online

Por meio de câmeras ligadas 24 horas por dia e lives com cuidadores, é possível conhecer a rotina de aves, mamíferos e peixes de instituições de várias partes do mundo.

 

Para respeitar as recomendações de distanciamento social durante a pandemia de coronavírus, zoológicos e aquários do mundo todo estão com as portas fechadas.

 

Mas por meio de câmeras e transmissões ao vivo, é possível acompanhar o dia a dia de mamíferos, peixes, aves e outros animais que fazem parte de instituições ao redor do mundo.

 

São opções que já eram oferecidas antes da decretação de quarentenas. Algumas passaram agora a produzir mais conteúdo.

 

Para acompanhar o dia todo

 

Tido como um dos maiores do mundo, o zoológico de San Diego tem transmissões que permitem acompanhar a rotina dos animais. No site, são oferecidas mais de 10 lives simultâneas, entre elas as de pinguins, babuínos, borboletas e urso polar.

 

Nos EUA, é comum que os sites dos principais zoológicos tenham uma área reservada para lives dos viveiros. Algumas sugestões são o Parque Zoológico Nacional, com câmeras 24 horas por dia de guepardos e ratos-toupeiras pelados; e o Zoológico do Bronx, cujas câmeras ficam ligadas das 11h às 17h do horário de Brasília.

 

Fora dos EUA, há diversos outros zoológicos que também oferecem lives 24 horas por dia pela internet. É o caso dos zoológicos de Edimburgo, na Escócia, Dublin, na Irlanda, e Melbourne, na Austrália.

 

Para conhecer mais os animais

 

O site do Zoológico de Cincinnati, o segundo mais antigo dos EUA, faz lives diárias com cuidadores descrevendo os hábitos e características dos animais.

 

Antes do coronavírus, a produção era mais irregular. Agora, há transmissões diárias na página do zoológico no Facebook que acontecem por volta das 11h45 do horário de Brasília. Depois, elas são republicadas na íntegra no YouTube, onde é possível assistir às explicações com legendas automáticas em português.

 

Já estão disponíveis, por exemplo, um vídeo com Fiona, a hipopótamo símbolo do zoológico, com um bicho-preguiça, com um dragão de Komodo, com suricatos, entre vários outros. O zoológico de Denver é outro que oferece conteúdos explicativos, diariamente às 16h do horário de Brasília no Facebook e depois no YouTube.

 

Para assistir à vida embaixo d’água

 

Com mais de 10 mil animais de 500 espécies diferentes, o Aquário da Georgia, nos EUA, oferece em seu site nove canais que transmitem 24 horas por dia. Entre os viveiros é possível assistir a belugas, lontras, água-vivas e até habitats de corais.

 

Na página de cada live, há informações das espécies e do aquário em que os animais estão, acompanhadas de referências que levam a dados mais detalhados. No canal do YouTube, é publicado toda sexta um vídeo em que os cuidadores alimentam e falam um pouco de uma espécie. A tradução automática em português está disponível.

 

Outras instituições nos EUA que também oferecem câmeras 24h com os animais aquáticos são o Aquário Odysea e o Monterey Bay Aquarium.

 

Para fazer um safári virtual

 

A Wild Earth é uma emissora sul-africana de safáris. Diariamente, no seu canal do YouTube, faz duas lives diárias pelas savanas da reserva de caça privada Djuma, no nordeste da África do Sul: uma no nascer do sol (1h do horário de Brasília), outra no pôr do sol (11h do horário de Brasília). Faladas em inglês, depois de publicadas é possível assistir aos vídeos com tradução automática em português.

 

Os tours costumam levar três horas e começa a bordo de um jipe. São acompanhados por um guia que dirige pelo parque em busca dos principais animais africanos. Quando encontra, para o veículo e explica um pouco os hábitos e outras histórias que já presenciou nos anos de trabalho.

 

Outra emissora, não vinculada a nenhum zoológico ou instituição do tipo, é a Explore. Com centenas de câmeras 24 horas por dia ao redor do planeta, é possível observar de paisagens a animais silvestres. A empresa também tem um canal no YouTube no qual seleciona apenas os vídeos de aves, abelhas e morcegos.

 

 

Deixe uma resposta